quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Mistérios ocultos aos sábios e prudentes
ESE – Cap. 7, item 7 a 10
Comentários: José Queid Tufaile Huaixan

"Naquele tempo, respondendo, disse Jesus: Graças te dou a ti, Pai, Senhor do Céu e da Terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e aos prudentes, e as revelastes aos simples e pequeninos". – (Mateus, XI: 25)

O primeiro ensinamento que nos ressalta da lição de Allan Kardec, é o de que Deus têm enorme dificuldade para conseguir fazer os homens sábios, segundo o mundo, entenderem os ensinamentos da Espiritualidade. E isso, por uma razão muito simples: o orgulho. Esse filho do egoísmo que entorpece a alma e a joga nas regiões escuras do sofrimento, se não nesse plano, certamente na vida futura a que todos nós estamos submetidos pela vontade de Deus.

O mundo, por ser dominado por uma mentalidade materialista, niilista, leva a parcela de seres humanos que mais se destaca socialmente, a acreditar que é bem-aventurada pelos desígnios do mundo. Quase de maneira geral, os homens que despontam na vida, seja por terem conseguido amealhar mais dinheiro que seus irmãos, ou por terem conseguido um diploma nas escolas do mundo, julgam-se dispensados de aprenderem sobre os mistérios da vida e da morte, principalmente porque esses ensinamentos quase sempre os convidam a uma mudança de postura frente à vida.

Como diz a lição, pode parecer uma contradição o fato de Deus interessar-se em revelar suas preciosidades aos mais simples, aos humildes e pobres. Aparentemente, esses teriam mais dificuldades em entendê-las. Os outros, seriam mais estudados, teriam mais entendimento. Mas na realidade o que acontece é bem diferente. Quanto mais instruído nas coisas do mundo, maior dificuldade tem a criatura humana em entender a mensagem divina. A doutrina da Verdade é a antítese da doutrina do mundo. Ela combate o personalismo, a idéia da individualidade, muito ensinada pelo sistema humano que tudo faz nesse sentido, para poder explorar o homem. Allan Kardec em O Livro dos Médiuns nos informa que os maus Espíritos, quando querem explorar uma pessoa, procura fazê-la sentir-se importante, isso é, faz com que se ressalte seu amor próprio. É isso o que o mundo faz com os homens.

Pode-se perguntar o motivo pelo qual Deus permite que os homens sejam submetidos a esses sistemas injustos e enganosos de vida. Ora, o Pai é amor, bondade, justiça e perfeição. Não iria fazer seus filhos sofrerem sem uma razão justa. O que ocorre, e que muitas vezes escapa aos estudiosos, é que os mecanismos de vida no mundo terreno foram criados pelo próprio homem ao longo de sua história. Com o desenvolvimento da inteligência, os seres humanos foram aos poucos dando origem às ciências e à uma maneira toda particular de viver. O que hoje nos domina a vida e subjuga os povos pobres, submetendo-os a todo tipo de privações, é produto desses 40 mil anos de história da civilização. O fato do homem não conhecer a Lei Natural na sua mais ampla expressão, fez com que ele criasse esses mecanismos imperfeitos e injustos, voltados quase que em sua totalidade para a vida no plano material. É produto da ignorância humana. Claro, isso não ficará assim para sempre. Os mundos evoluem como os indivíduos. A Terra está perto de ser conduzida a uma nova fase, onde os interesses espirituais predominarão sobre os interesses materiais. Um dia, esses sistemas políticos e sociais onde predomina a desigualdade, serão apenas uma triste lembrança de quando os filhos de Deus ainda eram dominados por interesses inferiores.

Algumas pessoas acham que os Espíritos deveriam fazer um enorme esforço para convencê-las da sua existência. Outras há, que pensam que nós espíritas ficaríamos muito felizes se elas viessem freqüentar nossas casas e ser convertessem ao Espiritismo. Ora, quem pensa assim, não conhece os fundamentos da doutrina revelada. Nunca estivemos atrás de adeptos, porque os Espíritos aguardam de boa fé, que os filhos de Deus procurem seus ensinamentos quando tiverem vontade e maturidade para isso. Portanto, nada de fazermos proselitismos descabidos. Nossa tarefa é a de disseminar a Mensagem aos que quiserem e puderem ouvi-la. Aos orgulhos, aos ricos de espíritos, deixemos que sigam com suas convicções. Cedo ou tarde terão de enfrentar a realidade.

Ao referir-se Jesus aos pequeninos, agradecendo ao Pai por revelar a verdade a eles e escondê-la aos sábios e prudentes, o Mestre nos ensina que para aprendermos a verdade é necessário termos humildade de coração. E, quando falamos de humildade, não queremos falar da ignorância intelectual, ou da pobreza material; mas de um estado de espírito que qualquer um pode adquirir, seja bem situado social ou intelectualmente. Mas, como dizia o Senhor, é mais fácil um camelo passar no fundo de uma agulha, do que um rico entrar no reino de Deus. Isso quer dizer: quanto mais bens materiais, quanto mais títulos, mais tendência tem o coração de endurecer. Portanto, sejamos cautelosos. A alma precisa estar constantemente aberta para conhecer os mistérios da vida. Seguramente as coisas não se resumem entre o nascer e o morrer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário